Polimetilmetacrilato, ou PMMA é um produto de preenchimento definitivo, sintético. Sendo assim ele não é temporário como o ácido hialurônico ou outros preenchedores. Utilizado largamente na face, mamas e glúteos, muitas vezes pode levar a complicações graves e de muito difícil manejo.

O que é o PMMA?

Polimetilmetacrilato, ou PMMA, é um produto permanente de preenchimento, não absorvível. É composto por microesferas sintéticas. Trata-se, portanto, de um material não biológico. Ele é misturado com outras substâncias que desaparecem com o tempo. O que resta é apenas o PMMA que dá volume e modela partes da face ou do contorno corporal.

Metacril, metacrilato, Artecol, polimetilmetacrilato e Linnea Safe são todos compostos de PMMA. O procedimento de aplicação deste produto na face e corpo é conhecido como Bioplastia.

A aplicação de PMMA é segura?

Muitos pacientes têm tido resultados bons, duradouros e naturais com este tipo de recurso. Porém, é sempre importante lembrar que o PMMA não é isento de riscos e complicações, muitas vezes graves e de difícil tratamento. Daí resulta a importância de questionar seu médico especialista antes da aplicação. Saber da duração do produto na face, benefícios, contraindicações, riscos e possibilidade de remoção, caso necessária.

Quando surgem as complicações?

As complicações podem aparecer alguns meses ou alguns anos após a aplicação. Muitas vezes, porém, o problema é bem mais tardio e surge dez, quinze ou mais anos após a aplicação deste produto. Desta forma, o aparecimento de problemas relacionado à injeção de PMMA é sempre incerto quanto ao momento de surgimento, tipo de problema, local de surgimento e mesmo gravidade das complicações ou deformidades.

Quais são as principais complicações com o uso do PMMA?

As complicações e efeitos secundários se apresentam em vários graus e intensidade. Inchaço, nódulos e deformidades são as mais frequentes. Podem ser periódicas, aparecendo e melhorando de tempos em tempos. Além do inchaço (edema) local, vermelhidão, dor, palpação, deformidade estética, formação de nódulos, granulomas, alterações funcionais como dificuldade para sorrir ou movimentar a boca podem ocorrer. Complicações mais graves como necrose (perda parcial ou total da pele) e até cegueira também estão descritas com a aplicação de polimetilmetacrilato e outros produtos de preenchimento. Problemas clínicos também têm sido relatados, principalmente em pacientes com alterações autoimunes. Se caracterizam por distúrbios de cálcio, de vitamina D e alterações da função renal, além de outras manifestações clínicas.

Quais são os tratamentos?

O tratamento depende dos sintomas, de sua gravidade, localização, entre outros fatores. Medicamentos orais como corticoides, colchicina, xilitol, anti-inflamatórios ou antibióticos podem melhorar os sintomas temporariamente. Porém, os problemas costumam ser crônicos e reaparecem após algum tempo. Outra opção é a injeção local usando medicamentos como corticoides, 5-fluoruracil e outras drogas. Este tratamento, entretanto, pode não melhorar o problema e até produzir outros inconvenientes como o surgimento de pequenos vasos na região e atrofia do tecido subcutâneo, localizado abaixo da pele. Cirurgias com cortes para acesso ao produto e aspiração também tem sido utilizadas. Nenhum tratamento, incluindo o laser intra-lesional, é capaz de remover completamente o PMMA. Todos tratamentos podem trazer benefícios e apresentar também complicações.

O que é Biofilme e qual sua relação com o PMMA?

Vários estudos relacionam reações tardias associadas à injeção deste material de preenchimento (PMMA – polimetilmetacrilaro) com infecções de biofilme. Biofilme (ou biofilm em inglês) seria uma espécie de colonização de bactérias ao redor do PMMA que estariam intimamente relacionadas a complicações tardias como formação de granulomas, processo inflamatório, edema e infecção. Em outras palavras, o biofilme seria uma película aderente e muito resistente à ação externa mesmo com uso de antibióticos. O diagnóstico, manejo e tratamento das infecções por biofilme permanecem sendo mais um desafio no manejo das complicações relacionadas ao PMMA.

O que é Síndrome de ASIA e qual sua relação com o PMMA?

Síndrome de ASIA (Síndrome Autoimune Induzida por Adjuvantes) foi recentemente descrita por um médico chamado Schoenfeld. Esta manifestação estaria relacionada com fatores estranhos presentes no organismo como implantes de silicone, alguns componentes de medicamentos e também materiais de preenchimento como o PMMA. Pacientes com predisposição genética e doenças autoimunes acabariam por desenvolver uma reação contra eles mesmos.
Estas substâncias “estranhas”funcionariam como um “gatilho”, levando, no caso do PMMA, a diferentes tipos de reações como edema, dores e resposta inflamatória ou autoimune. Pacientes portadores de alterações autoimunes e com complicações relacionadas à injeção prévia de PMMA devem ser investigados para esclarecer a relação entre estes problemas e a doença.

Como funciona o laser no tratamento das complicações com PMMA?

O laser é mais uma alternativa no tratamento destas complicações relacionadas ao polimetilmetacrilato. Usa-se um laser intra-lesional. Em outras palavras, a energia do laser é conduzida exatamente no local onde está localizado este produto, por via interna, abaixo da pele, seja na maçã do rosto, nariz, queixo ou mandíbula, por exemplo. O laser é conduzido por uma fibra ótica contida em uma pequena cânula de 1 milímetro de diâmetro. O procedimento é realizado sob anestesia local, com sedação e em ambiente hospitalar. O laser aquece, fragmenta e dissolve parcialmente o produto que, na sequencia, é removido com aspiração suave através de uma delicada cânula. Normalmente, não há cicatrizes neste procedimento. Algumas vezes podem ser necessárias pequenas incisões na pele ou lábios. O resultado do tratamento depende de cada caso, podendo ser repetido após algum tempo.

Qual é o resultado do tratamento?

O uso do laser intra-lesional no tratamento das complicações com polimetilmetacrilato (PMMA) foi recentemente descrito e publicado por nossa equipe médica. Trata-se de mais uma opção no tratamento destas complicações que, não raras vezes, levam a problemas não somente estéticos e funcionais, mas também a implicações clínicas e emocionais muito graves. Não existe até o momento na medicina um tratamento único, eficiente e definitivo para este sério e difícil problema, sendo o laser mais uma alternativa. Não um milagre. Por isso é importante uma avaliação médica de cada caso para poder indicar este ou outros tratamentos. Vale salientar que tratamos com esta técnica a laser apenas a região da face.