09-Dez-2016
Início
Busca no site
Na Mídia
Fale conosco
Receba nossa Newsletter
Trabalhe Conosco
Publicações Científicas
 
Medo de Anestesia

O número de cirurgias plásticas realizadas no Brasil e no Mundo cresce a cada dia. Se há pouco tempo atrás ela representava um sonho para muitos e realidade somente para alguns, hoje está mais acessível, racional e segura. Muitos fatores determinaram esta mudança. O último mito parece, finalmente estar caindo: o temor pela anestesia.

A evolução da cirurgia plástica
Os principais aspectos responsáveis pelo “boom” que hoje atravessa esta especialidade médica são: a evolução técnico-científica, uma maior e mais acessível divulgação da plástica na mídia e seus meios de comunicação, o surgimento de clínicas médicas dedicadas exclusivamente à prática da cirurgia plástica, com recursos materiais e humanos voltados à segurança e bem estar do paciente, à racionalização dos custos, hoje mais acessíveis e facilitados e, finalmente, à modernização dos recursos e técnicas de anestesia. A evolução anestésica acabou trazendo maior confiança por parte do paciente e seu médico, tornando os procedimentos cirúrgicos mais seguros, rápidos e previsíveis.

O medo da anestesia
Até pouco tempo atrás, a anestesia representava um fator limitante quando uma pessoa pretendia realizar uma cirurgia plástica. Por mais confiante e segura que se sentisse, sempre havia um temor em relação à anestesia. E, não raras vezes, esse medo partia não do paciente, mas de seus amigos e familiares. Reações alérgicas, dor, anestesia geral, riscos, recuperação prolongada, desconhecimento da equipe anestésica, eram aspectos questionados antes da cirurgia, algumas vezes afastando o paciente do procedimento ou levando-o à cirurgia com temor, sentimento de culpa e insegurança.

Arte e ciência
A cirurgia plástica é uma especialidade médica que alia arte e ciência. A arte está latente em cada cirurgião e toca a ele desenvolvê-la da melhor maneira possível, buscando resultados com beleza e naturalidade. A ciência, por sua vez, está em constante evolução. Se por um lado é importante dominar e utilizar técnicas básicas e tradicionais, por outro é inquestionável que a cirurgia plástica, enquanto especialidade médica, agrega a cada dia novas tecnologias, recursos e medicamentos. Cada cirurgião, seguindo os critérios da ética e da ciência, poderá escolher, dentro do leque de opções, aquelas técnicas que melhor se adaptam a seu paciente e à sua prática médica. Esta constante evolução acabou trazendo interessantes opções não cirúrgicas para problemas antes corrigidos apenas com o bisturi. Assim, hoje, uma gama variada de produtos e recursos consegue atenuar rugas, sulcos, remover manchas, tatuagens, pequenas varizes, remover pêlos, enfim oferecer beleza e melhor qualidade de vida com recursos menos invasivos, resultados naturais e previsíveis e com rápida recuperação. Este processo evolutivo está sendo acompanhado também por uma especialidade médica estreitamente ligada à cirugia plástica: a anestesia.

 Evolução da anestesia
Nesta evolução constante, o médico-anestesista igualmente encontrou, na evolução da ciência anestésica, recursos e equipamentos que pudessem proporcionar mais conforto, segurança e tranqüilidade ao paciente e ao cirurgião. Hoje, modernos equipamentos fornecem, durante um procedimento cirúrgico, um perfil completo das condições clínicas, cardiológica e respiratória do paciente. Drogas mais seguras, com tempo de ação mais previsível e com menos efeitos colaterais beneficiaram mais ainda este processo evolutivo. Com isso, hoje, dependendo da opção do paciente e seu cirurgião, a maioria das cirurgias plásticas pode ser realizada sob anestesia local. Plástica para diminuir ou aumentar as mamas, lipoaspiração, laserlipólise, cirurgias da face como o lifting, rinoplastia e tantas outras dispensam, hoje, procedimentos anestésicos maiores. Claro que esta opção está diretamente relacionada ao conjunto cirurgião-paciente e dependerá da particularidade de cada caso. Mas o mais importante é que, para aqueles pacientes que muitas vezes se privavam de uma cirurgia por temor à anestesia geral, hoje podem realizar este tratamento sob anestesia local ou peridural. É importante que se diga que também a anestesia geral é segura e igualmente se beneficiou da evolução tecnológica.

Dr. Alberto Goldman cremers 14581
Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
 Membro da International Society of Aesthetic Plastic Surgery
 Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia

 
< Anterior   Seguinte >
 

Av. Augusto Meyer 163 conj. 1203 • Bairro Higienópolis • CEP. 90550-110 • Porto Alegre / RS - Brasil • Fone/fax: +55 (51) 3342-7722 • Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email